Testando: patins Chaya Emerald Hard

Naclara/ janeiro 20, 2017/ Testando/ 0 comments

Durante uma de minhas visitas a São Paulo, visitei a loja Rolling Sports (que fica na Galeria Ouro Fino, Rua Augusta 2690), especializada em patins, para experimentar o patins Chaya Emerald Hard. Em geral, o foco deles é o patins inline, mas estão voltando a ter alguns patins quad. Fica aqui o agradecimento aos rapazes da loja, Claudio e Rapha, que foram super solícitos. Trocamos muitas ideias sobre patins e eles me deixaram ficar experimentando tudo. =P

 

Sobre o Chaya Emerald Hard

 

Especificações na caixa

Ao saber que os patins Chaya chegaram ao Brasil, não pude deixar de ficar muito feliz. A marca, para quem não conhece, é parte da Powerslide, uma gigante mundial da patinação que criou a vertente Chaya para os patins tradicionais. Duas das grandes garotas-propaganda da marca são nada mais, nada menos que as maravilhosas Rogue Runner, das London Roller Girls, e a Mary Fagdalene, das Victoria Roller Derby League.

 

1) Bota

Visão geral do patins em foto de divulgação

 

A primeira sensação ao colocar o patins é sentir a bota bem confortável e macia. Parece que você está colocando um tênis agradável. O tecido que a compõe é um tal de Power Knit, que pelas informações do fabricante é um material de alta tecnologia caracterizado pela durabilidade e leveza.

A frente do patins tem uma “biqueira” de material mais rígido, feito de couro sintético, que ajuda a protegê-lo. Mas claro que um toe cap ainda é indispensável para prolongar a vida do patins (ainda mais em solos brasileiros, ou seja, sem quadras maravilhosas o tempo todo). Além disso, há uma tira no alto do patins para ajuste e maior fixação da bota ao pé.

Para quem pratica roller derby como iniciante, essa bota cumpre seu papel. Porém, com o avanço das habilidades, acredito que uma bota mais firme seja necessária para poder ter uma resposta rápida ao movimentos executados. Uma bota macia transfere de maneira menor eficaz a energia exercida sobre ela, ocorrendo a perda de uma parte dessa força, que se dissipa. Ou seja, a resposta aos movimentos não é tão rápida e mais força será exigida.

Veja como a bota é mole e se dobra com a movimentação do pé.

Bota bem confortável, se adapta muito bem ao pé.

 

2) Plate

 

Vista do plate em foto de divulgação

O Plate do Chaya Emerald Hard é o Chaya Shari DCM 3.0 20°. Ele é feito de um composto de nylon reforçado com fibra de vidro, que o torna muito leve e firme. O truck é feito de aço.

De acordo com o fabricante, o plate tem um sistema chamado Power Toe System (PTS) que visa melhor performance, mais poder, velocidade e controle. Também nas palavras do fabricante, a frente do plate é levantada e angulada próxima à curvatura natural da sola do pé, o que garante que os músculos do pé estejam pré-tensionado, tornado a impulsão dos patins melhor.

3) Freios

Dei uma estreiada no freio do patins da loja, perdão vendedores! =F

Freio Chaya Cherry Bomb

Uma coisa que eu amo nesses patins é o freio. Ele tem um tamanho bom (47mm de diâmetro), nem muito grande e nem muito pequeno, e a superfície é reta (que é o que mais gosto nele). Isso permite uma boa base com total contato com o chão, tornando as corridas no freio mais estáveis e seguras e os freios mais preciso, sem cambalear.

De acordo com o fabricante, sua borracha natural não deixa marcas em ambientes indoor (de quadra). Isso pode ajudar na hora de pedir para usar aquela quadra que sempre reclama que vocês vão “estragar” o chão.

Além de tudo o nome desse freio é uma graça (Cherry Bomb) e eu particularmente tenho vontade de mordê-lo (sorry not sorry hahaha).

 

4) Rodas

 

Rodas Octo Edge

As rodas que vêm com o Chaya Emerald Hard, as Octo Edge, me agradaram bastante para um patins iniciante. Seu tamanho é razoavelmente pequeno (59mm x 38mm) e tem uma dureza boa para quadras (92A), além de possuírem os frisos para melhorar o grip.

5) Preço

No final das contas isso é o que queremos saber, não é mesmo?

Na Rolling Sports esse patins sai a R$ 1.199,00 (podendo ser em 6x de R$199,83 sem juros ou com 5% de desconto no boleto/transferência bancária, por 1x R$ 1.139,05).

Para o padrão de valores que pagamos aqui em patins nacionais iniciantes, este está um pouco acima, mas sendo uma marca gringa, o preço está razoável, já que importar pode acarretar a cobrança de muitas taxas, além de poder perder seu patins na alfândega…

Avaliação: 4/5

É um patins muito bom de usar, confortável, com uma boa composição, mas para patinadoras mais avançadas ele pode atrapalhar em alguns pontos, como a bota muito macia e o plate de nylon (que com o uso pode acabar danificando). Vale a pena experimentar!

Share

About Naclara

Ana Clara Miranda por nascimento. Naclara ou Portu´Gal por batismo de track. Atleta da seleção brasileira de Roller Derby. Treinadora e jogadora da liga Sugar Loathe Derby Girls, do Rio de Janeiro.

Leave a Comment